sexta-feira, 19 de junho de 2009

ENQUETE SOBRE O FUTURO DO “JORNALISTA”:

Você amiga (o) “displomado” (a palavra não respeita a regra culta de formação de palavras porque agora não é preciso respeitar mais nada, não é mesmo? rsssss), o que pretende fazer a partir de agora?

a) Vender os livros de jornalismo que tem em casa e comprar umas vodkas para esquecer tudo?
b) Vender pulseirinha em Pipa já que não era preciso estudar mesmo para ganhar a vida, né?
c) Fazer trabalho arte-reciclagem com os antigos diplomas que vai recolher dos amigos?
d) Cobrar indenização de Gilmar Mendes pelos quatro anos que você passou gastando neurônios, energia e dinheiro na Universidade?
e) Entrar com uma ação para cair a exigência de diploma de Direito para ser magistrado e ir trabalhar no STF? Afinal, eles não operam ninguém também e julgar é uma coisa que todo mundo consegue fazer, é inerente ao ser humano, não precisa de Universidade para isso. Até porque, no júri popular, por exemplo, a decisão é oriunda da análise dos leigos, ou seja, o juiz não é necessário...

votem dizendo a alternativa aqui nos comentários

5 comentários:

reny disse...

eu voto na primeira opção......já to recolhendo meus livros...quem quiser..já estão à venda...

=)

Rubens disse...

Absurdo. Eis a que ponto chegamos no Brasil. Jamais passaremos de uma republiqueta de bananas. Jamais. Essa decisão do STF apenas é a ponta do iceberg de um processo de definhamento das instituições sociais no Brasil, no caso em questão, a mídia. A quem interessa a não obrigatoriedade do diploma? Escrever uma notícia, consultar fontes, levantar dados sobre uma questão de relevância pública em nome de uma reportagem investigativa pode ser feita por qualquer pessoa culta que sabe escrever “bonito?”. Será que jornalismo é isso? No período funesto da Ditatura Militar em nosso país era prática comum habitar redações pessoas diplomadas em direito, economia, sociologia que decidiram dedicar-se ao jornalismo. Eu digo mais uma vez: jornalismo não é APENAS escrever bem.

Luana Carvalho disse...

Eu voto na letra b. Estava até pensando mesmo em largar tudo... então te faço companhia... mas antes temos que aprender a fazer as benditas pulseirinhas!

Lucilene disse...

Também acho que a gente deve ir vender pulseirinha lá em Pipa. E o diploma? Sei lá... faz um bonequinho de origami.

Juliano disse...

Perder uma reserva de mercado faz tremer as bases mesmo.